Como ajudar um amigo com autoestima baixa?

O apoio das pessoas queridas é fundamental nesse momento de baixa autoestima. Ouvimos os especialistas e listamos orientações que vão ajudar a levantar o astral do seu amigo

Já tem um tempo que você notou que sua amiga anda de bico calado nos encontros da turma e nem na reunião de brainstorm da firma ela emitiu opinião. Anda sumida das redes sociais, não evoluiu no bate-papo com o crush e desistiu na última hora de provar um look incrível que vocês viram na vitrine. Disse que não tem estilo suficiente para roupas desse tipo. O que começou como uma pequena insegurança tá crescendo rápido demais. E o pior é que ela está descontando tudo isso no bar, se excedendo no consumo de bebidas alcoólicas.

Melhor que ninguém, você sabe que o que ela mais precisa é do seu apoio, porque o resto ela já tem. Mas a dúvida está em como ajudá-la da melhor forma. Será que os velhos conselhos de amiga vão surtir efeito? É necessário recorrer a especialistas? As duas coisas! Juntar a intimidade e o carinho de vocês com orientações de quem entende do assunto é uma escolha acertada. Para isso, ouvimos experts ligados à Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP) e listamos as melhores orientações. Acompanhe!

Autoconhecimento é o primeiro passo

Pare, relaxe e faça um exercício: olhe para dentro e liste o que te emociona, o que te empolga, o que te deixa frustrado, o que te deixa com medo, quais são suas qualidades, imperfeições e seus desejos. Esse é o primeiro passo para se conhecer melhor e compreender suas potencialidades e o que pode ser melhorado. Autoconhecimento está ligado a uma organização interna, onde não há certo e errado, mas sim o respeito pela sua personalidade.

Use suas potencialidades

Ao invés querer melhorar suas imperfeições, invista suas fichas no desenvolvimento de suas qualidades. É isso mesmo! Valorizamos tanto o erro que esquecemos de enaltecer as potencialidades, o que é muito mais importante. Claro que você pode corrigir imperfeições que te incomodam, mas lide com isso de forma natural, sem dedicar tempo demais a elas, ok?

Fuja da autodepreciação e valorize a autoestima

A comparação com os colegas de trabalho te faz sentir inferior a eles? Saiba que você não é pior que ninguém. As pessoas são diferentes, cada um tem um tipo de habilidade e uma maneira de se expressar, e você não precisa agir como seu colega da mesa ao lado. Como falamos acima, se autoconhecer é o primeiro passo para você investir em suas potencialidades e ficar seguro com o que você tem de melhor.

Não busque padrões inalcançáveis

Bem comum nas redes sociais, o “estilo de vida ideal”, sempre alegre, divertido e ligado a padrões estéticos e sociais te faz sentir um peixe fora d’água? Saiba que você não é o único. Pelo contrário, a maioria das pessoas não se encaixa nesses modelos de perfeição e felicidade impostos pelas redes. Para os especialistas, é importante distinguir vida real (com os problemas cotidianos, contas para pagar, desafios diários etc) dos padrões inalcançáveis que proliferam pelas redes.

Estabeleça metas

Comece com pequenos objetivos e vá aumentando aos poucos. Quer ler mais, desenvolver alguma habilidade, exercitar-se, comer melhor? Comece com metas pequenas, duas horas de dedicação semanais, por exemplo, e aumente gradativamente.

Cerque-se de pessoas que te fazem bem

Estar ao lado de pessoas queridas, dos amigos e família, é essencial para enxergar o seu melhor. Errar e acertar é comum na vida de todo mundo e conviver com pessoas que enxergam essa realidade com leveza e vêm o lado positivo das situações é fundamental. Por outro lado, tem pessoas que te põem pra baixo? Evite o contato e se não der para fugir disso (por exemplo, alguém de sua equipe de trabalho), mantenha uma relação de cortesia e nada mais.

Não recorra ao excesso de bebidas

Consumir bebidas alcoólicas como válvula de escape nunca é a solução. Um estado emocional fragilizado, como baixa autoestima,  pode abrir portas para excessos e piorar sua situação. O dia está mais difícil que o habitual? Recorra a seus amigos. O afeto e compreensão deles com certeza vão levantar o seu astral.

É importante lembrar que as dicas acima não reduzem a necessidade de procurar um psicólogo. Para determinados casos, só um profissional habilitado poderá analisar com mais propriedade suas necessidades, ok?

Fonte: Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP), ABRH e Portal Terra.

Posts Relacionados

Inscreva-se