Casos verídicos facilitam a compreensão dos jovens

Dando sequência à reportagem especial sobre como o consumo de bebidas alcoólicas pode ser abordado em sala de aula, esta semana o Sem Excesso conta a prática do médico pediatra João Paulo Becker.

Discutir casos reais e atuais é uma das formas mais eficazes de sensibilizar o jovem. Esta é a opinião e também a técnica usada pelo pediatra João Paulo Becker, criador do personagem Dr. Bartô, do Hospital Universitário da USP – Universidade de São Paulo, que há cinco anos vem desenvolvendo um programa de conscientização do consumo de bebidas alcoólicas em escolas de São Paulo.

“O tabagismo é tolerância zero. Já no caso do álcool não dá pra falar para o jovem não beber nada porque isso seria até irreal. O que se deve fazer é discutir o consumo responsável”, defende. Casos verídicos da atualidade, publicados na mídia, são usados para despertar o interesse e gerar reflexão. Para estimular o pensamento crítico, o médico diz que a discussão deve ser “amarrada” com uma lista de sugestões a ser criada conjuntamente entre os alunos no sentido de gerar possibilidades preventivas para que o incidente discutido fosse evitado.

O projeto do pediatra é estendido também aos professores por meio de palestras motivacionais e orientativas sobre como tratar o assunto com os alunos. De acordo com Dr. João Paulo Becker, qualquer educador pode trabalhar o tópico em classe. “O de inglês, por exemplo, por meio da tradução de um texto, o de português pedindo uma redação, e assim por diante. Basta aproveitar as oportunidades para inserir no currículo escolar”, completa.

O médico defende, contudo, que este tipo de orientação deve começar cedo, de preferência a partir dos sete anos. “Para ser mais eficaz, além de precocemente o ideal é que o trabalho seja inserido no cotidiano do estudante também continuamente”, pondera.

Posts Relacionados

Inscreva-se