Sem excesso, a gordura animal faz bem

Uma das mais abrangentes pesquisas já realizadas, atesta que o consumo moderado de gordura animal como carnes, ovos e laticínios ajuda a promover a saúde.

Quantas vezes você já se sentiu culpado por não resistir aos prazeres daquele churrasco suculento ou por não conseguir evitar queijos, manteiga ou ovos no dia a dia? Se esse é o seu caso, temos uma boa notícia: o consumo de alimentos à base de gordura animal não é tão ruim como se pensava. E melhor, eles podem te ajudar a ter uma vida mais longa e saudável. Essa foi a conclusão de pesquisa realizada por cientistas da McMaster Universtity, no Canadá.

Considerado o estudo mais completos sobre o tema (135 mil pessoas de 18 países foram acompanhadas por mais de sete anos), ele mostra que os indivíduos que ingerem carnes e laticínios com regularidade – um total de 35% das calorias diárias – são mais saudáveis que aqueles cuja base alimentar é focada em carboidratos. De acordo com o cientista Mahshid Denghan, líder do estudo, esse resultado contraria as regras atuais que limitam a 30% o total de gorduras animal consumido por dia.

Segundo o pesquisador, as pessoas que cortam carnes e laticínios do cardápio acabam comendo mais carboidratos e o problema é que alimentos ricos em carboidratos, se consumidos exageradamente, podem favorecer o aparecimento de doenças cardiovasculares e distúrbios metabólicos. A dica é simples: o consumo de gordura animal está liberado, desde que seja sem excesso. Confira alguns dos principais benefícios das carnes, ovos e laticínios:

Efeito termogênico. Em geral as proteínas animais têm o poder de acelerar o metabolismo, já que o nosso organismo tem uma dificuldade 30% maior para digerir a proteína. Isso contribui para aumentar a queima de gordura estocada.

Aumentam a sensação de saciedade. Como a digestão de alimentos como carnes e laticínios é mais lenta, a sensação de fome demora mais a aparecer.

Melhoram a pele. A proteína animal contribui para a manutenção da massa magra, favorecendo a firmeza e viço da cútis. Além disso, substâncias como selênio, magnésio, ferro e cálcio, presente em laticínios e ovos, ajudam a combater o envelhecimento precoce das células, evitando o aparecimento de rugas.

Bom para a saúde do cérebro. Neste caso o ovo sai na frente. Como ele tem alta concentração de colina, substância integrante do Complexo B, seu consumo diário favorece a formação de novos neurônios.

Dica dos especialistas: fique atento à quantidade de proteína ingerida diariamente para não ter nenhum efeito colateral, como sobrecarga dos rins ou tontura. Não é recomendado que os alimentos à base de gordura animal ultrapassem 35% da dieta diária. O ideal é comer cerca de sete ovos por semana e não passar de uma porção de 100 gramas de carnes por dia, mas isso vai depender do peso e das necessidades de cada indivíduo. Para montar um cardápio adequado ao seu organismo, consulte um médico.

Fonte: com informações da Isto É e Associação Brasileira de Nefrologia

 

 

Posts Relacionados

Inscreva-se