Pais e filhos: educação sem estresse

Proteção e cobranças fazem parte do papel dos pais. Mas, em excesso, ambas podem prejudicar o crescimento e desenvolvimento das crianças e adolescentes. Saiba como orientá-los com equilíbrio e sem proibições

Bala, refrigerante ou bebidas alcoólicas não pode. Assistir filme até tarde, de jeito nenhum. Dar um rolê com os amigos depois da aula só se for acompanhado de um adulto. Por que? É sua pergunta favorita, mas a resposta raramente te esclarece alguma coisa. Normalmente é “porque não e ponto final”. Para protegerem os filhos, ter controle ou exigir obediência, muitos pais optam por atitudes extremas que envolvem proibições ou excesso de cobranças.

Porém, tudo que é proibido vai gerar mais interesse na criança e no adolescente, alertam especialistas da Associação Brasileira de Psicopedagogia (ABP). Segundo eles, nos estudos, alimentação, diversão, compromissos, saúde é importante estabelecer regras, mas o ideal é que as normas e limites não sejam simplesmente impostos e, sim, esclarecidos com uma boa conversa.

Seja você filha, filho, pai ou mãe: não abra mão do diálogo. Esse é o principal recado da ABP. É só por meio da conversa que podemos gerar um pensamento mais crítico sobre nossas atitudes e entender que toda ação tem consequências positivas ou negativas. Para te ajudar a aprofundar nesse assunto, fizemos uma seleção com orientações de especialistas da ABP e com base no livro “Família: urgências e turbulências”, do filósofo e escritor Mario Sergio Cortella. Acompanhe e saiba que sim, é possível educar sem estresse!

Aproxime-se e converse

De acordo com pesquisas da SBP, as crianças desenvolvem o entendimento do que faz bem ou não, do que é prazeroso ou lhe causam dor, ainda com poucos meses de vida. Quando bebês, esses ensinamentos são apreendidos pelo tom de voz e pela expressão facial dos pais. Por esse motivo é fundamental se aproximar, criar intimidade e sempre conversar com a criança desde bem novinhas. Outro ponto essencial é a convivência diária, é isso que abre portas para a criação de um canal aberto de comunicação, momento em que vocês possam dialogar sobre todo tipo de assunto.

Menos controle, mais diálogo

Cabe aos pais orientar as crianças com uma conversa respeitosa e que estimule um pensamento crítico sobre as consequências de suas ações, pois elas precisam ter autonomia para interpretar e fazer as próprias escolhas. Esse é um passo importante para as crianças e adolescentes se sentirem seguros e autoconfiantes. Por outro lado, a proteção em excesso coloca a criança dentro de uma bolha invisível podendo fazer com que ela se sinta frágil na ausência dos pais e se sinta insegura na hora de fazer escolhas.

Sim, as regras são importantes

 Uma conversa franca e esclarecedora explicando o porquê das regras é fundamental. Segundo especialistas, é preciso ainda ter paciência, pois essa mensagem precisará ser repetida várias vezes, já que as crianças e adolescentes também internalizam as normas e limites pela repetição. Outro ponto importante: o respeito nunca deve ser deixado de lado. Procure entender a personalidade, preferências e costumes do seu filho, sempre lembrando de evitar estereótipos simplistas (exemplo: “Isso não pode por que é coisa de menino ou menina”, etc)

Dê o exemplo

Como você quer que seus filhos se alimentem de forma mais saudável, se ela ou ele nunca veem legumes no seu prato? A mesma coisa com a TV, a divisão de tarefas domésticas, a importância dos estudos, o respeito ao outro. As crianças e adolescentes sempre estão atentos às atitudes dos pais, portanto comece revendo seus próprios comportamentos.

Bebidas alcoólicas: proibir não é o caminho

A melhor maneira de evitar o consumo inadequado de bebidas alcoólicas é o diálogo. Ao invés de simplesmente proibir, explique de forma franca e esclarecedora os problemas que esse comportamento pode causar, principalmente se eles questionarem o motivo de não poderem beber antes dos 18 anos. Além de não ser permitido por lei, de acordo com pesquisas científicas, adolescentes que ainda não completaram a maioridade metabolizam o álcool de maneira mais intensa, o que pode causar sérios danos à saúde. E mesmo depois de completarem 18 anos, é importante eles entenderem que em excesso as bebidas alcoólicas podem trazer prejuízos graves. Como tudo na vida, equilíbrio é fundamental.

Elogie

 Estamos tão acostumados e preocupado em corrigir os erros, que muitas vezes esquecemos de valorizar as qualidades do outro. Não são só as boas notas do colégio ou medalhas em campeonatos que merecem elogios. O esforço diário, a dedicação, as atitudes gentis e o respeito ao próximo são atitudes que merecem ser sempre parabenizadas.

Fonte: revista Crescer, Associação Brasileira de Psicopedagogia Sociedade Brasileira de Pediatria.

Posts Relacionados

Inscreva-se